Seguidores

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

CIÚME SEM RAZÃO

Ao deixar a roupa suja no lugar apropriado, tropecei no diário da minha irmã de treze anos. 
Logo pensei: O que eu faço agora?
Eu sempre tive ciúme de minha irmã caçula. Seu sorriso charmoso, sua personalidade cativante e muitos outros talentos ameaçavam meu lugar como filha principal.
Eu competia com ela silenciosamente e via crescer suas habilidades naturais.
Por conseqüência, nós raramente nos falávamos. Eu procurava oportunidades para criticá-la e superar seus feitos.
Agora, seu diário estava aos meus pés. Eu não pensei nas conseqüências. Não levei em conta a sua privacidade, a moralidade de minhas ações, nem seus sentimentos. 
Eu apenas saboreei a chance de encontrar segredos suficientes para sujar a reputação de minha concorrente.
Raciocinei que seria meu dever, como irmã mais velha, verificar suas atividades.
Apanhei o livro do chão e o abri. Folheei as páginas, procurando por meu nome, convencida de que descobriria tramas e calúnias. 
Quando encontrei, o sangue gelou em meu rosto. Era pior do que eu suspeitava. 
Senti-me fraca e sentei-me no chão. Não havia nenhuma conspiração, nenhuma difamação.
Havia uma descrição sucinta de si mesma, de seus objetivos e de seus sonhos, seguidos por um curto resumo da pessoa que mais a inspirava. Eu comecei a chorar.
Eu era sua heroína. Admirava-me por minha personalidade, minhas realizações e, ironicamente, por minha integridade.
Queria ser como eu. Tinha me observado por anos, quieta, maravilhando-se com minhas escolhas e ações. Eu parei a leitura, golpeada pelo crime que havia cometido.
Eu tinha perdido tanta energia para mantê-la fora do meu caminho...
Agora, eu violara sua confiança.
Lendo as sérias palavras que minha irmã tinha escrito, me pareceu derreter uma barreira gelada em meu coração e eu desejei conhecê-la de verdade.
Eu podia, finalmente, pôr de lado a insegurança estúpida que me manteve longe dela por tanto tempo.
Naquela tarde, quando consegui me sustentar sobre as próprias pernas, decidi ir até ela.
Mas, desta vez, para conhecer em vez de julgar, para abraçar em vez de lutar. Para viver como verdadeiras irmãs.
  
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Por vezes, temos agido como crianças, com relação às pessoas que nos cercam.

Imaginamos que não gostam de nós, que desejam nossa infelicidade, nossa queda.

Importante não estabelecer pré-julgamentos em nenhuma situação, por mais que os fatos conspirem a favor.

Nem sempre será possível descobrir os sentimentos dos outros pelas aparências.

Há pessoas que não conseguem exprimir seus sentimentos e dão impressão de frieza ou indiferença.

Por essa razão é que o pré-julgamento é altamente prejudicial.

Assim sendo, se for preciso imaginar os sentimentos dos outros, façamos esforços para imaginar sempre o melhor.

O ciúme produz o câncer da suspeita, transformando os sonhos de sua esperança em pesadelo cruel, que se converte em enfermidade demorada, a lhe corroer interiormente.

Pense nisso!

 

3 comentários:

Carlos Varoli disse...

Oi amiga Dalila, que bela história nos mostrando a lição "Não Julgueis" de Jesus.
Às vezes formamos juízo das pessoas sem conhecê-las a fundo.
Ciúme é uma falha de nossa personalidade fundamentada na falta de amor próprio de na possessividade.
Tenha uma ótima semana.
Beijos,
Carlos espírita

Dalila disse...

O ciúme e o julgamento machucam, degradam o amor próprio e o amor ao outro.
Sem contar na perca da confiança que tinhamos para com aquela pessoa que hoje nois julga impiedosamente, alem de que muitos destes são julgamentos mentirosos, julgamento pela falta de conhecimento do problema do outro!
Como dizia o amigo Chico
"Não devemos julgar nenhuma criatura"

selma disse...

Não devemos julgar porque não enxergamos o sentimento dos outros....devemos sim conhecer melhor as pessoas e mesmo assim não temos o direito de julgá-la....vim conhecer este cantinho ,estou seguindo,boa semana.